Digite para procurar

É razoável pensar que o coronavírus veio da sopa de morcego

Compartilhar

A rigor, a rigor quase exagerado, não sabemos realmente se o coronavírus veio da sopa de morcego, ou como exatamente o bicho foi preparado para consumo. Não sabemos se foi por consumo ou mero contato para caça e consumo. E talvez seja outro bicho. Mas isso não significa que a hipótese de que o vírus SARS-CoV-2 infectou humanos pela primeira vez através do hábito chinês de consumo de animais exóticos é uma hipótese absurda. É, na verdade, uma hipótese bem razoável, e mostrarei por quê.

A sugestão da sopa de morcego veio de uma notícia do site britânico Daily Star News, publicada originalmente em 23 de janeiro. Logo a notícia gerou uma série de memes brincando com a situação. A resposta foi taxativa: “memes racistas têm como alvo os hábitos alimentares chineses”, asseverou o Foreign Policy. O vídeo de uma youtuber tomando a sopa foi filmado em Palau, e não na China, e a região de Wuhan não tem esse prato no menu, esclareceu a BBC.  O próprio Daily Star esclareceu em atualização da notícia que “não há evidência” de que a sopa foi a origem da pandemia.

O escritor de ficção científica Isaac Asimov escreveu um ensaio famoso sobre a “relatividade do erro” em 1989, em que descreve uma resposta que deu a um correspondente que manifestou um ceticismo exagerado sobre os conhecimentos científicos:

“John, quando as pessoas pensavam que a Terra era plana, elas estavam erradas. Quando as pessoas pensavam que a Terra era esférica, elas estavam erradas. Mas se você acha que pensar que a Terra é esférica é tão errado quanto pensar que ela é plana, então a sua opinião é mais errada do que as duas juntas.” 

Então, dizer que o novo coronavírus veio da sopa de morcego é, a rigor, errado. Porém, é comparável a dizer que a Terra é plana, ou é comparável a dizer que ela é esférica? Vejamos…

Um artigo de 2007 foi bem taxativo: os morcegos são reservatórios de cepas perigosas dos vírus SARS da família dos coronavírus. Os chineses, especialmente da região sul do país, têm o hábito de consumir animais exóticos. E mais: o artigo diz que este hábito dos chineses, acoplado ao fato de que os morcegos são vetores de coronavírus, faz da situação uma “bomba relógio”.

Artigo de Vincent Cheng e colaboradores publicado em 2007 praticamente previu a pandemia de 2020, apontando morcegos como reservatórios de vírus perigosos da família do SARS-CoV-2. https://doi.org/10.1128/CMR.00023-07

Além disso, artigos como este apontam que a sequência do vírus tem alta homologia, ou seja, alta semelhança por parentesco da sequência do RNA, com as cepas virais encontradas em morcegos. A semelhança do material genético do novo coronavírus com uma linhagem viral de morcegos é de 96%, segundo este outro artigo que busca estabelecer uma sequência de referência para o vírus. Porém, outro estudo encontrou 99% de similaridade da sequência do RNA do vírus com uma cepa viral encontrada nos pangolins, simpáticos mamíferos exóticos com uma carapaça como a do tatu mas hábitos de alimentação mais parecidos com os do tamanduá. “Mais pesquisas são necessárias para estabelecer essas conclusões”, assevera o artigo da sequência de referência.

Mas não fiquemos apenas em citar artigos. Vamos botar a mão na massa. O leitor pode acompanhar. Uma das sequências do RNA do vírus está disponível aqui. Podemos baixá-la em formato “FASTA”, que pode ser aberto no bloco de notas do Windows. Feito?

Agora podemos usar um “Google de sequências de material genético” para descobrir o que se parece com o vírus. O programa mais usado pelos geneticistas se chama “BLAST”. Os Institutos Nacionais da Saúde dos Estados Unidos permitem a busca via BLAST aqui. Vejamos o resultado da busca. A maioria dos resultados é de sequências do novo coronavírus extraídas de humanos infectados. Já nos primeiros resultados de sequências extraídas de outros animais, vemos que há as sequências dos morcegos.

Resultados da busca BLAST feita pelo autor da coluna. Qualquer pessoa pode fazer a busca.

Concluindo: dizer que o vírus SARS-CoV-2 veio de sopa de morcego é o terraplanismo da virologia? Ou é mais comparável a um “esferismo” da virologia? Minha conclusão deve estar clara para o leitor.

Agora, acusar toda e qualquer pessoa que comentou sobre a sopa de morcego de racismo: é um terraplanismo da moral pública, ou é um esferismo da moral pública? Também deve estar clara a minha conclusão, aqui.

Assuntos:
Eli Vieira

Pós-graduado em biologia molecular pela UFRGS e em genética pela Universidade de Cambridge, Reino Unido, com mais de dez anos de experiência em divulgação científica e produção de conteúdo.

  • 1

Recomendações de leitura